Home
Quem somos
Nossa Missão
Vacinas
Calendários de Vacinação
Área do Médico
Nossos Diferenciais
Como chegar
Contato
Horário de Funcionamento

Informativo Previne - julho de 2017

Desabastecimento da vacina meningocócica conjugada MenACWY - CRM197 (Menveo®)

Prezados colegas,

As recomendações dos calendários vacinais, tanto da SBIm como da SBP, preconizam ampliar a proteção das doenças meningocócicas para todos os sorogrupos que acontecem em nosso País, que são o B, C, W, Y e muito raramente o A.

Links de acesso aos Calendários Vacinais SBIm e SBP 2017.SBIm: https://sbim.org.br/calendarios-de-vacinacaoSBP:http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/19717g-DocCient-Calendario_Vacinacao_2017.pdf

Infelizmente estamos com uma das vacinas menACWY licenciadas no Brasil, a MenACWY - CRM197, com nome comercial Menveo®, em falta.

Em vista disso, a SBIm emitiu uma Nota Técnica chamada “Conduta diante do desabastecimento da vacina meningocócica conjugada MenACWY - CRM197 (Menveo®)”.

Copiamos abaixo o trecho final com a conclusão do documento.

A Comissão Técnica de Revisão de Calendários e Consensos – SBIm sugere o uso da vacina meningocócica conjugada ACWY-TT (Nimenrix®) no primeiro ano de vida, em substituição à vacina MenACWY-CRM (Menveo®) no esquema aprovado pela EMA* (duas doses e um reforço), até que a situação seja normalizada, ressaltando-se que trata-se de uma indicação “off label” no Brasil. Esquema de doses sugerido: aos 3 e 5 meses de idade com reforços entre 12 e 15 meses, aos 5- 6 anos e aos 11 anos.**

Intercambialidade das vacinas MenACWY-TT (Nimenrix®) e MenACWYCRM (Menveo®): sempre que possível deve-se procurar dar continuidade dos esquemas primários iniciados com a mesma vacina, evitando-se a intercambialidade. Na falta de um produto ou quando se desconhece a vacina aplicada em doses anteriores, utilizar a vacina disponível.”

A Nota Técnica na íntegra, está disponível no site da SBIm: https://sbim.org.br/images/files/nt-falta-menveo-170629.pdf

*EMA European Medicines Agency

**Preconizamos doses a cada 5 anos até o final da adolescência, período principal de portador são da bactéria.  

Qualquer esclarecimento entre em contato conosco.

Atenciosamente,

Previne - Centro de Vacinação “ANO 23”

INFORMATIVO JUNHO 2016 - Carta Meningo

PREVINE - Centro de Vacinação “ANO 22”
Rua Cel. Bordini, 380 - F: 3337-5455
Estacionamento próprio e gratuito
site - www.previnevacinas.com.br

Informativo de junho de 2016
Prezados colegas,
Como é de conhecimento de todos, as doenças meningocócicas que acontecem em nosso País são causadas pelos sorogrupos B, C W e Y. O meningococo pode ocorrer em qualquer idade, porém é mais prevalente na infância e adolescência.
A noticia boa é a recente ampliação pela ANVISA do uso da vacina meningococo ACWY- CRM (Menveo®) já a partir dos 2 meses de idade.
Tanto SBIm como SBP já alteraram seus calendários (links abaixo), recomendando a vacina meningo ACWY em substituição à vacina Meningo C.
SBIm: http://sbim.org.br/images/files/calend-crianca-sbim-2015-16-160613-spread.pdf
SBP: http://www.sbp.com.br/src/uploads/2012/12/Calendrio-de-Vacinao-da-SBP-2016-3.pdf
A seguir reproduzimos os comentários do Calendário da SBIm e da SBP sobre as vacinas meningocócicas conjugadas:
SBIm
Meningocócicas conjugadas: Sempre que possível, preferir a vacina MenACWY, inclusive para os reforços de crianças previamente vacinadas com MenC. Crianças com vacinação completa com a vacina MenC podem se beneficiar com uma dose adicional de MenACWY, a qualquer momento. No Brasil, para crianças a partir dos 2 meses de idade, estão licenciadas duas vacinas: MenC e MenACWY-CRM. MenACWY-TT está licenciada a partir de 1 ano de idade. O esquema de doses varia com a vacina utilizada. MenC: duas doses, aos 3 e 5 meses de idade e reforço entre 12-15 meses. Iniciando após 1 ano de idade: dose única. MenACWY-CRM: três doses aos 3, 5 e 7 meses de idade e reforço entre 12-15 meses. Iniciando entre 7 e 23 meses de idade: 2 doses, sendo que a segunda dose deve ser obrigatoriamente aplicada após a idade de 1 ano (mínimo 2 meses de intervalo). Iniciando após os 24 meses de idade: dose única. MenACWY-TT: dose única a partir dos 12 meses de idade. Em virtude da rápida redução dos títulos de anticorpos protetores, reforços são necessários: entre quatro e cinco anos após a última dose recebida depois dos 12 meses de idade, e na adolescência.
SBP
Meningocócica conjugada – Recomenda-se o uso rotineiro da vacina meningocócica conjugada para lactentes maiores de 2 meses de idade, crianças e adolescentes. A vacina meningocócica C conjugada está licenciada no Brasil para uso a partir de 2 meses de idade. A vacina meningocócica ACWY conjugada ao mutante diftérico (ACWY- CRM) foi licenciada recentemente no Brasil, também para uso a partir dos 2 meses de idade. A vacina meningocócica ACWY conjugada ao toxóide tetânico (ACWY-TT) está licenciada a partir de 12 meses de idade. No primeiro ano de vida são recomendadas duas doses da vacina meningocócica C conjugada, aos 3 e 5 meses, lembrando-se que esta é disponibilizada pelo PNI. Quando for utilizada a vacina meningocócica ACWY conjugada ao mutante diftérico (ACWY- CRM) no primeiro ano de vida, disponível no momento somente em clínicas privadas, recomendam-se 3 doses para os lactentes que iniciam a vacinação entre 2 e 6 meses de idade, com intervalo de pelo menos 2 meses, e uma quarta dose no segundo ano de vida entre 12 e 16 meses. Para aqueles entre 7 e 23 meses de idade, não vacinados previamente, o esquema vacinal é de 2 doses, com a segunda dose administrada a partir de 12 meses de idade e pelo menos 2 meses de intervalo da dose anterior. A dose de reforço, recomendada pela SBP entre 12 e 15 meses de idade, pode ser feita com a vacina meningocócica C conjugada ou preferencialmente com a vacina meningocócica ACWY, assim como as doses entre 5 a 6 anos de idade e aos 11 anos. A recomendação de doses de reforço 5 anos depois (entre 5 e 6 anos de idade para os vacinados no primeiro ano de vida) e na adolescência (a partir dos 11 anos de idade) é baseada na rápida diminuição dos títulos de anticorpos associados à proteção, evidenciada com todas as vacinas meningocócicas conjugadas.

Qualquer esclarecimento entre em contato conosco.

Atenciosamente,

Previne - Centro de Vacinação “ANO 22”

Informativo de novembro de 2015

Calendários Vacinais da criança e do adolescente 2015/2016 da Sociedade Brasileira de Imunizações – SBIm
Campanhas “Vacina é proteção para todos”, “Portal da família” e “Onda contra o câncer”

Prezados colegas, 

Principais alterações nos Calendários Vacinais da criança e do adolescente 2015/2016 da Sociedade Brasileira de Imunizações - SBIm 

Tríplice bacteriana acelular para adolescentes e adultos

Como a proteção conferida pela vacina coqueluche é limitada a em torno de 5 anos, recomendado o reforço da tríplice bacteriana no inicio da adolescência, aos 10 anos de idade.

Estratégias de proteção dos lactentes para coqueluche: a principal é vacinar a gestante entre 27 e 36 semanas de gestação (disponível gratuitamente na rede pública nesses casos), além disso, continua preconizando a vacinação dos contactantes (estratégia Coccon).

Hepatite A, varicela e HPV

A SBIm mantém a recomendação do esquema vacinal usual de duas doses para hepatite A (aos 12 e 18-24m) e varicela (12 e 15-24m) e nos intervalos das 3 doses para HPV (0, 1-2 e 6m). Esquemas vacinais diferentes dos preconizados pelo MS. HPV quadrivalente indicada também para meninos.

Pneumococo

Com o objetivo de ampliar a proteção do pneumococo, recomenda que: crianças de até 5 anos com esquema completo de VPC10 podem se beneficiar com uma dose adicional de VPC13, respeitando o intervalo mínimo de dois meses da última dose. 

Meningococo

Recomenda utilizar preferencialmente a vacina meningocócica conjugada ACWY (MenACWY) como a dose de reforço (12-15 meses) do esquema com MenC do primeiro ano de vida e na primovacinação de crianças maiores de 1 ano. Além disso, em virtude da rápida redução dos títulos de anticorpos protetores, recomenda reforços com a vacina MenACWY de 5/5 anos, até a adolescência.

Incluída no calendário a vacina meningococo B para crianças e adolescentes. Se inciada entes dos 6 meses de idade, em 4 doses: aos 3, 5, 7 meses e reforço aos 15 meses. Se inciada após os 6 meses de idade: 2 doses com intervalo de 2 meses entre elas e um reforço aos 15 meses. Se iniciada depois de 1 ano de idade: 2 doses com 2 meses de intervalo. Se iniciada depois dos 11 anos de idade: 2 doses com 1 mês de intervalo. 

Febre amarela

A SBIm coloca em seu calendário o mesmo esquema utilizado pelo PNI, recomendando que crianças vacinadas aos 9 meses devem ser revacinadas aos 4 anos de idade, visando resgatar as potenciais falhas primárias e secundárias da vacina em lactentes. Os maiores de 5 anos devem ter 2 doses da vacina com intervalo de 10 anos. Não são mais recomendados reforços de 10/10 anos. Também foi inserida a observação que crianças menores de 2 anos de idade não recebam as vacinas febre amarela e tríplice viral no mesmo dia (pela interferência mútua na resposta vacinal). Nesses casos, respeitar intervalo de 30 dias entre as doses (se possível!).

Calendário do Adolescente

Vacinas recomendadas na infância e que ainda foram não administradas devem ser colocadas em dia.

Campanhas da Sociedade Brasileira de Imunizações - SBIm 

Portal da família

A campanha também marca o lançamento do portal Família SBIm, enciclopédia virtual que disponibiliza aos internautas, entre outros recursos, detalhes sobre as doenças imunopreveníveis; como são transmitidas; quais os sintomas e complicações; onde as vacinas estão disponíveis, além de um glossário de conceitos. Confira em familia.sbim.org.br

Onda contra o câncer

Nessa campanha, o objetivo da iniciativa é reafirmar a efetividade da vacina contra o HPV na prevenção do câncer de colo do útero e destacar a importância de receber todas as doses. www.ondacontracancer.com.br 

Qualquer esclarecimento, entre em contato conosco.

Atenciosamente,

Previne - Centro de Vacinação ANO 21” 

Informativo de outubro de 2015 – falta das vacinas penta (DTaP+IPV+Hib) e hexa (DTaP+IPV+Hib+hepB)

Prezados colegas,

Desde setembro estamos com dificuldades de compra das vacinas penta e hexa, produzidas pelos laboratórios Sanofi (penta) e GSK (penta e hexa). Infelizmente não dispomos mais no Brasil dessas vacinas em outras apresentações combinadas ou mesmo monovalentes, o que possibilitaria outras opções de aplicações. 

Achamos que é um risco muito grande esperar a normalização da comercialização, prevista somente para inicio de 2016, para só daí aplicar as vacinas que protegem contra doenças muito graves e ainda importantes, como por exemplo a coqueluche. 

A nossa orientação é que o calendário de imunizações da criança deva ser mantido atualizado. Para isso, em substituição às vacinas penta e hexa, que estão em falta, sugerimos aplicar a vacina disponibilizada na rede pública, a chamada penta Brasil (DTwP+Hib+HepB), que é recomendada aos 2, 4 e 6 meses de idade. 

Como problemas/inconvenientes/dificuldades lembramos:

·        pelo componente coqueluche da penta Brasil ser de células inteiras podem ocorrer mais eventos adversos

·        a necessidade de outra picada com a vacina VIP (aos 2 e 4 meses)

·        o uso da VOP aos 6 e 15 meses.

·        e, finalmente, uma situação não menos preocupante, que é a também falta do componente Hib em apresentações monovalentes no Brasil, o que impossibilitará a realização do reforço desta vacina aos 15-18 meses.

Gostaríamos de avisá-lo sobre isso e que, dentro do possível, informasse seus pacientes sobre a situação. 

Por outro lado, reforçamos que em relação às vacinas pneumocócica conjugada 13 e rotavirus pentavalente, também utilizadas nessa faixa etária, os estoques de distribuição estão normais.

Atenciosamente,

PREVINE CENTRO DE VACINAÇÃO

Abaixo a nota de esclarecimento emitida pela GSK em 01 de outubro.

Abastecimento de vacinas da GSK - Infanrix® Hexa e Infanrix® Penta

Rio de Janeiro, 01 de Outubro de 2015.

Prezado(a) doutor(a),

Seguindo o princípio de transparência e confiança de nossa relação, gostaríamos de comunicar que ao longo do ano de 2015, estamos enfrentando problemas de abastecimento de algumas vacinas do portfólio pediátrico da GSK.

Importante salientar que o processo de fabricação de nossas vacinas é bastante complexo e requer equipamentos específicos para garantir a consistência e alta qualidade. O tempo do processo de fabricação pode demorar de 6 a 29 meses para finalização, sempre atendendo a rigorosos critérios de eficácia e segurança.

No momento a demanda global por certas vacinas está aumentando em virtude do crescimento populacional, expansão dos calendários de vacinação, eventos imprevisíveis e até mesmo surtos e epidemias de doenças imunopreveníveis.

Sabemos o quanto a situação é delicada mas novamente reforçamos que todas as medidas cabíveis para a normalização do abastecimento estão sendo realizadas. Tão logo o abastecimento seja restabelecido, faremos um novo contato.

Contamos com a sua compreensão e colaboração, e nos colocamos à inteira disposição para mais esclarecimentos.

Atenciosamente,
GSK


Informativo de julho de 2015 – falta da vacina Meningocócica B

Prezados colegas, 

Dia 20 de julho, tivemos a informação da falta no mercado da vacina meningocócica B (BEXSEROTM), produzida pelo laboratório Novartis (recentemente incorporado ao laboratório GSK).

Em respeito aos nossos clientes, naquele mesmo momento, decidimos interromper NOVAS vacinações e reservar as vacinas que tínhamos em estoque para completar o esquema dos pacientes que já haviam iniciado a vacinação conosco.  

Gostaríamos de avisá-lo sobre isso e que, dentro do possível, informasse seus pacientes sobre a situação. A previsão da GSK é de receber novos lotes ainda nesse ano. 

Por outro lado, reforçamos que em relação à vacina meningocócica conjugada ACWY, os estoques de distribuição estão normais. 

Abaixo a nota de esclarecimento emitida pela GSK em 23 de julho.

Rio de Janeiro, 23 de Julho de 2015.

Abastecimento da Nova vacina meningocócica B (recombinante) internacionalmente conhecida como BexseroTM.

Prezado cliente,

A nova vacina meningocócica B (recombinante), internacionalmente conhecida como BexseroTM, foi lançada comercialmente no Brasil em Maio de 2015 e, como todo lançamento, a demanda projetada foi baseada no histórico de lançamentos anteriores e indicadores atuais de mercado. No entanto, devido à importância epidemiológica da doença meningocócica no país, surtos recentes e a ótima aceitação da vacina pelo mercado privado brasileiro, temos verificado uma procura pelo produto muito superior à expectiva inicial e todas as premissas estabelecidas anteriormente.

A GSK tem como um de seus pilares a transparência com seus clientes e pacientes e, com isso, gostaríamos de informá-lo que estamos com nosso nível de estoque, da referida vacina, atualmente reduzido, e com a possibilidade de desabastecimento temporário do mercado.

Estamos trabalhando intensamente para assegurar uma rápida regularização dos nossos estoques locais e devida adequação à demanda do mercado brasileiro, buscando reduzir as limitações no fornecimento atual e minimizar o risco de futuras novas rupturas. Neste período, do ponto de vista de assistência à saúde, e visando dar seguimento aos diferentes esquemas posológicos recomendados pelas Sociedades Médicas no país, acreditamos que a priorização dos esquemas vacinais já iniciados em lactentes, com manuntenção da 2a dose, seja o caminho mais indicado.

Informamos que atualizações serão fornecidas através do Gerente de Contas que atende a sua clínica e por meio de comunicados futuros. Contamos com a sua compreensão e colaboração e nos colocamos à inteira disposição para maiores esclarecimentos.

Atenciosamente, GSK

BR/BEX/0030/15 - julho/2015

GlaxoSmithKline
Estrada dos Bandeirantes no 8464 - Jacarepaguá - Rio de Janeiro - RJ

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO OCUPACIONAL

Conheça o calendário que leva em conta os riscos ocupacionais específicos de cada atividade e as vacinas, que de acordo com esses riscos, são especialmente indicadas para cada segmento (clique aqui).